sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Nem tão desconhecidos

Publicado em 25 de fevereiro de 2011

Aos 58 anos, Liam Neeson estrela longa de ação com trama batida. No Cine Cultura, entra em cartaz o premiado longa romeno A leste de Bucareste de 2006, do diretor Corneliu Porumboiu

Mais dois filmes entram em cartaz hoje nas salas de cinema goianas. O  blockbuster Desconhecido (Unknown - 2011) com o ator Liam Neeson e o cult romeno A leste de Bucareste (A fost sau n-a fost? - 2006). Este último apenas no Cine Cultura da Praça Cívica, enquanto que o primeiro faz parte da programação de diversos cinemas da cidade.

Os experientes Frank Langella e Liam Neeson dividem a tela em thriller de ação que já é sucesso nos cinemas dos Estados Unidos

A trama do filme de Neeson usa uma fórmula bem conhecida: o personagem principal, o Doutor Martin Harris, acorda após um acidente e descobre que teve sua identidade roubada. Ninguém, nem mesmo sua esposa o reconhece mais. Ignorado por autoridades e caçado por assassinos, Harris começa a questionar sua sanidade mental e tem dúvidas sobre o que seria real e o que seria apenas sua imaginação.
Apesar da fórmula desgastada, Desconhecido, que foi filmado na Alemanha, ficou em primeiro lugar em sua estreia nos Estados Unidos. O interessante é que 85% do público americano que prestigiou o quase sessentão Liam Neeson tinha mais de 25 anos, sendo que 54% estavam acima dos 50.

Fato ou ficção?

A outra estreia também questiona a realidade, mas extrapola o campo psicológico para analisar a história. Uma rede de TV romena de uma pequena cidade a leste de Bucareste (entendeu o nome do filme?), no aniversário de 16 anos da queda do ditador Ceaucescu, faz um programa com entrevistados para questionar se a praça da Capital estaria cheia ou vazia antes do anúncio da partida do ditador. O povo na praça foi a um ato político de derrubada de um governo ou apenas a uma comemoração?

Ator romeno Mircea Andreescu vive um apresentador de TV que faz “hora extra” com a produtora do programa, sua amante
 
O diretor estreante Corneliu Porumboiu conduziu a narrativa com um humor sutil aliado a uma crítica política sem panfletagem. Adepto da comédia textual e do absurdo, ele flerta com o humor físico sem desumanizar os personagens. A crítica e seus colegas aprovaram a direção e ele foi agraciado com o premio Camera d’Or no festival de Cannes. Quanto ao público, ele pode até agradar, mas na internet é possível encontrar alguns comentários que o classificam como decepcionante e sem graça. Se você se interessou pela trama, assista e forme sua própria opinião.

Justin Bieber, agora em documentário 3D

Publicado em 25 de fevereiro de 2011

Chega às telas dos cinemas do Brasil o filme que mostra o carisma e o poder de fascinação de um garoto de apenas 16 anos que arrasta fãs por onde passa

O fenômeno teen Justin Bieber está na internet, na televisão e no rádio já há algum tempo. O menino cantor, que é a cara da atriz Ellen Page (aquela que fez uma outra adolescente grávida no cultuado filme Juno de 2007), pipoca na mídia eletrônica desde que sua mãe decidiu colocar um vídeo do filho cantando no You Tube. Agora é a vez do cinema abrir espaço para que o moleque canadense solte a voz, os cabelos e até a franga. Bem, para alívio das fanzocas do cantor mirim, na verdade, ele não solta a franga, mas se sente bem à vontade no documentário Justin Bieber: never say never  (2011) que estreia hoje nos cinemas brasileiros em 3D.

O filme não é uma biografia completa da vida de Justin. A película é uma mistura de documentário, cenas de bastidores e show. As imagens foram gravadas no Madson Square Garden, em Nova York em a gosto de 2010. Esta arena é famosa no mundo inteiro por já ter recebido artistas consagrados em apresentações memoraveis e lutas como a do pugilista Muhammad Ali. O fenômeno Bieber fez história ao lotar o estádio aos 16 anos de idade. O produtor musical L.A. Reid, um dos principais executivos da industria fonográfica, a respeito do grande feito do garoto, disse que “isto simplesmente não acontece”.



Justin Bieber ao lado do cantor Usher que cuida da carreira, das gravações e dos shows. Só a internet fica por conta do moleque


Os ingressos para o show de Bieber duraram menos de meia hora. No palco, as participações especiais de Miley Cyrus (famosa pelo seu personagem Hannah Montana) e de Jaden Smith (filho do ator Will Smith e que protagonizou a nova versão de Karatê Kid, com música tema de Bieber) dividem o palco com Justin, mas não passam de meros coadjuvantes ao lado da atração principal, para quem os olhos da plateia e as lentes das câmeras estão voltadas. E ele demonstra que não tem medo do palco e que sua presença cativa seu público instantaneamente.

Internet

O objetivo do filme é mostrar como um garoto sai de uma pequena cidade canedense e conquista o mundo. O longa deixa claro que a indústria fonográfica se rendeu a um garoto que era sucesso na internet. O empresário Scooter Braun viu um vídeo de Justin e levou o garoto para os EUA para apresentá-lo ao cantor Usher e ao produtor L.A.. O trio passou a ser responsável pela carreira de Bieber, seus shows e gravações. Paralelamente, o garoto ainda cultiva seu público na internet. Seu perfil no Twitter conta com fãs  seguidoras de todas as partes do mundo e ele, frequentemente, é um dos tópicos mais comentados do micro-blog.
Never say never tem recebido boas críticas por sua narrativa, cujas filmagens mostram um Justin Bieber irreverente. O documentário chega a ensaiar um drama quando o garoto adoece um pouco antes da super apresentação no Madison Square Garden e é forçado a cancelar uma apresentação para cuidar da voz. É claro que todos conhecem o final da história e sabem que tudo acaba bem e com as fãs se esbaldando.

Peso e virtuosismo musical



Guitarrista virtuoso e compositor alemão de heavy metal e hard rock, Michael Schenker completou, em 2010, os 30 anos de existência de seu projeto solo The Michael Schenker Group, ou MSG. Como alegria e festa nunca são demais no mundo rock ‘n roll, as comemorações das bodas de pérola do grupo se estendem para 2011 e a banda se apresenta hoje no Bolshoi Pub, em Goiânia. A formação  conta com David Van Landing (vocal), Elliott Dean Robinson (baixo), Wayne Findlay (teclado) e Carmine Appice (bateria), além, claro, de Schenker com sua indefectível guitarra Flying V.

O marco de nascimento do MSG foi o lançamento do primeiro álbum da banda em 1980, batizado com o mesmo nome do grupo. Porém, a carreira de Schenker começou alguns anos antes, quando, aos 17 anos, ao lado do irmão Rudolf, lançou Lonesome to crow, 1º disco da banda de hard rock alemã Scorpions, em 1972. Mesmo com uma gama de efeitos de guitarra limitada pela tecnologia da época, foi um dos pioneiros a inovar o estilo, fazendo solos virtuosos e rápidos. Logo, o que era um diferencial começou a ser feito por outros guitarristas e o virtuosismo passou a ser uma das principais características do heavy metal e do hard rock.

Em 1974, Schenker se uniu à banda inglesa UFO. Nela, obteve relativo sucesso, chamando mais a atenção do público do que o vocalista fundador do grupo, Phil Mogg. Enquanto fazia parte do grupo, o alemão foi co-autor da maioria das músicas e gravou o álbum Phenomenon, um dos mais conhecidos discos da banda. Após desavenças internas, deixou o UFO em 1979 e, no mesmo ano, gravou três faixas do álbum Lovedrive de sua antiga banda Scorpions. Schenker até começou a excursionar com o grupo, porém, por causa de sua personalidade complicada e problemas com bebida e outras substâncias, teve que deixar o Scorpions.
Para não ser mais expulso de bandas e a fim de expandir seu ego, começou a trilhar seu próprio caminho e iniciou carreira solo sob o nome de The Michael Schenker Group, o MSG, em 1980. O grupo já lançou mais de 20 obras, incluindo o The Michael Schenker Group - 30th Aniversary Concert Live in Tokyo. O site oficial do MSG diz que um novo álbum de estúdio será lançado no fim do verão do hemisfério Norte, ou seja, lá para setembro.

Show com Michael Schenker Group
Quando: Hoje, a partir das 22h
Onde: Bolshoi Pub – Avenida T-2, esquina com Rua T-53, Setor Bueno
Ingressos: R$ 80,00 (antecipado) / R$ 100,00 (na bilheteria) – sujeito a alteração após as 22h30
Pontos de venda: Harmonia Musical / Lojas Americanas
Informações: 3281-6581

Dança tipo exportação

Publicado em 23 de fevereiro de 2011

Alunos do Centro de Educação Profissional em Artes Basileu França conseguem patrocínio de empresários para viagem a concurso em Nova Iorque, EUA

O governador Marconi Perillo e o secretario de Ciencia e Tecnologia, Mauro Faiad, receberam, no Palacio das Esmeraldas, seis empresarios que patrocinam a viagem de cinco alunos do curso de dança do Centro de Educação Profissional em Artes Basileu França (CEPABAF) para Nova Iorque, nos Estados Unidos. Na cidade, que também é conhecida como Grande Maçã, os bailarinos participam do “Youth America Grand Prix”, um campeonato que acontece anualmente no mês de março, com bailarinos do mundo todo. Os ganhadores recebem bolsas de estudos em grandes companhias de dança internacionais, cuja duração varia de um mês a um ano.

Ao lado da diretora do Centro, Sônia Maria de Araújo, e do presidente da Agencia Goiana de Comunicação (Agecom), José Luiz Bittencourt Filho, o governador também anunciou a liberação de duas parcelas atrasadas do Programa Bolsa Orquestra que não foram pagas na gestão passada. Perillo ressaltou que “o que as pessoas precisam são oportunidades e, ao governo, cabe proporcionar oportunidades para que todos possam subir na vida.” O governador ainda afirmou que se sente orgulhoso por ter acreditado e incentivado a Escola de Artes Veiga Valle, hoje incorporada ao Basileu França e que, dentro de suas limitações, vai estimular a arte no Estado.


Marconi Perillo, autoridades, empresarios e bailarinos apreciam música executada pelo quarteto de cordas da Orquestra Jovem do Cepafb

Durante a solenidade que aconteceu no Salão Dona Gercina, dois bailarinos do Centro apresentaram para a imprensa e convidados um duo de balé clássico ao som do quarteto de cordas da Orquestra Jovem do Basileu França, que hoje está sob a batuta do maestro Eliseu Ferreira. A música escolhida foi o tango Por uma cabeza, canção que ficou bastante conhecida por causa do filme Perfume de mulher.

Premiações

Sob a coordenação da professora Simone Malta, a escola já esteve representada em outros anos na disputa em Nova Iorque. O Centro sempre conseguiu que seus alunos se destacassem figurando entre os finalistas da competição e conseguindo bolsas de estudos. A pré-seleção nacional aconteceu em Vinhedo, no Estado de São Paulo na qual competiram 200 solistas. Ao todo foram selecionados 35 bailarinos do território nacional, sendo que cinco são do Basileu França, dois do Centro Cultural Gustav Ritter e um do Mvsika Centro de Estudos.

Na competição de março, cada solista apresentará duas coreografias de balé de repertório e uma de clássico livre ou de balé contemporaneo. Os competidores também farão aulas de dança que também são elimininatorias sob o olhar atento de professores e diretores de grandes escolas de balé do mundo todo.
O CEPABF iniciou suas atividades em 2002, oferecendo cursos de formação inicial e continuada em música, artes visuais, teatro e dança. Em 2008, iniciaram-se os cursos de Habilitação Técnica Profissional de nível medio. Atualmente, o Centro de Educação Profissional em Artes Basileu França tem cerca de cinco mil alunos e atende a região metropolitana de Goiânia e demais municipios. O Centro desenvolve varios projetos, como a Orquestra Jovem que tem como objetivo a formação profissional de orquestra e se destaca na dança com alunos premiados em competições nacionais e internacionais.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Música popular de fôlego

Publicado em de fevereiro de 2011

Cristina Guedes, Grace Carvalho, Lucas Faria e Tonzera se apresentam hoje na 4ª edição do Goiânia Canto de Ouro. Atualmente este é o maior festival dedicado à MPB na capital, com shows agendados aos fins de semana até abril

A fim de cumprir a sua ousada agenda de 13 semanas de shows com 58 atrações diferenciadas, a quarta edição do Goiânia Canto de Ouro apresenta hoje seu sexto elenco. Sob a direção de William Cândido e Luiz Chaffin, Cristina Guedes, Grace Carvalho, Lucas Faria e Tonzera são as atrações da noite. Na banda, Fred Valle, Bruno Rejan, Diego, Luiz Chaffin e William Cândido acompanham os cantores.

Concebido pelo secretário de cultura Kleber Adorno, o Goiânia Canto de Ouro teve seu início em 2008, quando inovou ao produzir oito semanas ininterruptas de música popular brasileira com vários artistas goianos. No ano seguinte, o evento foi ampliado para dez semanas e, em 2010, o palco do teatro do Centro Cultural Goiânia Ouro abrigou o Canto por 12 semanas. Neste mesmo ano, o festival se expandiu para o Café Cultura, onde mais 12 artistas de apresentaram.

Desde sua primeira edição, o Canto de Ouro teve como objetivo aproveitar a diversidade cultural dos artistas goianos. Oferecer atrações de qualidade para quem ficava na capital durante as férias escolares e a turistas também era outro objetivo primordial do evento. Porém, a cada ano, o evento foi se estendendo e acabou por extrapolar o período de férias. Esta edição começou em janeiro e se estende até abril.

Cristina Guedes


Cantora, compositora e pós-graduada em performance musical pela UFG, Cristina Guedes também é bióloga e estudante de fonoaudiologia. Com três discos lançados, seu último trabalho é o CD “Pássaros que emprestam asas”, de 2010. Quanto ao nome do álbum, Cristina esclarece: "presto uma homenagem a cantores, compositores, músicos e todos os artistas - não apenas da música - que me influenciaram a vida toda. São eles que me emprestaram e me emprestam asas para voar e criar".

Grace Carvalho


Com uma voz suave e um jeito bem particular de interpretar os arranjos, Grace Carvalho dedica seu repertorio ao samba de raiz. Recentemente, a cantora fez uma temporada de shows na Europa, onde se apresentou em pubs e restauratnes de Paris, Londres e Barcelona. O CD com canções próprias intitulado “Caminhante” foi lançado em 2010 e vem recheado de elementos do samba, dub e do afrobeat.

Lucas Faria


Lucas Faria nasceu em Goiânia e começou a compor na década de 70, influenciado por artistas como Edu Lobo e Chico Buarque. Na época, participou de vários festivais de MPB, em estados como Goiás, Distrito Federal, São Paulo, Pará, Maranhão, Minas e Rio Grande do Sul. O primeiro LP de Lucas Faria, “Todo Canto”, gravado em 1986 e seu mais recente trabalho é o CD “Lucas Faria e convidados”

Tonzera


O cantor TonZêra mostra toda sua versatilidade como compositor em seu CD Com Fusão, onde mistura ritmos tradicionais como congada, ciranda e outros a samplers e guitarras distorcidas. Num passeio por vários estilos, ele busca uma nova sonoridade, sem se preocupar com definições

Goiânia Canto de Ouro
Quando: Hoje, a partir das 21h
Onde: Teatro do Centro Cultural Goiânia Ouro – Rua 3, esq. c/ Rua 9 – Centro
Ingressos: R$ 12,00 (inteira) / R$ 6,00 (meia)
Informações: 3524-2541 / 3524-2542



sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Retorno do vingador mascarado em 3D

Publicado em 18 de fevereiro de 2011

O Besouro Verde chega hoje às salas de cinema do Brasil. Longa dirigido por Michel Gondry traz Seth Rogen, 14 quilos mais magro, como protagonista

Se você gosta de cenas de luta, perseguições de carro e engenhocas bélicas, é hora de se levantar do sofá e se dirigir ao cinema 3D, pois estreia hoje o filme O Besouro Verde (The Green Hornet - 2011). Apesar de ter os mesmos elementos dos longas metragens do Homem-Morcego (porrada, automóveis envenenados e invenções malucas feitas para derrotar bandidos) a película do Besouro passa longe da aura dark do Cavaleiro das Trevas.




Besouro Verde na versão magra do comediante Seth Rogen usa engenhocas criadas pelo seu ajudante Kato para combater o crime
 
O personagem principal é vivido por Seth Rogen, conhecido no cinema por seus papéis cômicos como os de Segurando as Pontas (Pineapple Express - 2008) e de Pagando bem, que mal tem? (Zack and Miri Make a Porno – 2008). O ator rechonchudo, ao contrário do ex-jogador de futebol Ronaldo, não desistiu de seu trabalho quando soube que teria que perder peso para fazê-lo. Rogen encarou uma dieta e deixou para trás cerca de 14 quilos. O ator não ficou saradão como o australiano Hugh Jackman no papel de Wolverine, mas a melhora deu para o gasto.

Para dirigir o Besouro Verde, o primeiro escalado foi Kevin Smith. Ele já havia trabalhado com Rogen em Pagando Bem..., mas a nova parceria acabou não dando certo. Stephen Chow de Kung fusão (Kung fu - 2004), além de roterizar e dirigir o filme, interpretaria Kato, o ajudante mascarado do Besouro, porém ele deixou o projeto usando a famosa desculpa das “diferenças criativas”. James Wan foi cogitado para a direção, no entanto, talvez por sua filmografia marcada por longas macabros como alguns longas da franquia Jogos mortais (Saw), ele foi substituído por Michel Gondry.

Conhecido por dirigir atores cômicos como Jack Black na comédia Rebobine, por favor (Be kind rewind – 2008) e Jim Carrey no drama Brilho eterno de uma mente sem lembranças (Eternal Sunshine of the Spotless Mind - 2004), Gondry garantiu a veia cômica desta versão hollywoodiana do Besouro Verde.

Katos

Uma figura importante tanto na trama do filme quanto na historia do cinema  americano é Kato, o ajudante do protagonista, interpretado nesta versão pelo músico, ator e diretor chinês Jay Chou. Na trama, Kato é mais inteligente que o Besouro. É ele quem cria as engenhocas, dirige o carro e ainda batiza o heroi como Besouro Verde que, a princípio, queria ser chamado de Abelha Verde.




Lenda das artes marciais e do cinema, Bruce Lee viveu Kato, o sidekick do Besouro, na série americana de TV da década de 1960


Um outro Kato marcou a historia do cinema na segunda metade da década de 1960. Apesar de ser uma serie para TV de audiencia mediana, o Besouro Verde televisivo foi responsavel por lançar no mercado americano a carreira de Bruce Lee, que interpretava o papel de Kato. Lee era de longe o personagem mais carismático da série e sua popularidade era tão grande que, em Hong Kong, o programa era chama do “The Kato Show”. Por falar em celebridades, no Besouro Verde que estreia hoje, Cameron Diaz vive a namoradinha do Besouro e Christoph Waltz encarna o malvado vilão.

Como atriz, canta bem

Publicado em 18 de fevereiro de 2011

Christina Aguilera faz sua estreia no cinema como protagonista do musical Burlesque e apresenta interpretação mediana. Ao seu lado, a musa veterana Cher solta o vozeirão em canção premiada

Cher e Christina Aguilera dividem a cena em musical, mas não se atrevem a fazer um duo em uma canção sequer durante o filme

Ali é uma típica jovem boazinha que trabalha como garçonete em um bar no interior dos Estados Unidos. Ela dá duro, apesar de estar com seu salario atrasado. Ao se cansar da exploração e do trabalho medíocre, Ali abre a caixa registradora, pega exatamente o que lhe é devido e ainda dá uma grana para a amiga comprar uma bicicleta para o filho. Na rodoviaria, compra uma passagem só de ida rumo ao estrelato.
Com uma trama que começa assim, bem que o filme Burlesque (Burlesque - 2010) poderia se chamar Clichê.  A película de enredo batido é a estreia de Christina Aguilera no cinema e a primeira vez do ator, produtor e roteirista Steven Antin na direção.

Ao chegar na cidade grande, a personagem de Aguilera se depara com Tess, a dona de um bar que faz shows burlescos ao som de playbacks. Vivida pela diva sem sobrenome Cher, Tess não quer saber de Ali até que ela sobe no palco e solta sua belíssima voz e convence Tess a colocar Ali nas apresentações. Além da interpretação mediana da estreante Aguilera, o roteiro do novato Antin exige uma certa complacencia do público mais exigente, mas pode agradar a maioria como um filme à lá Sessão da Tarde.

Beldades

O elenco está cheio de belezas femininas. Além, claro, das divas Cher e Aguilera, é a linda esforçada Kristen Bell que faz a vilã invejosa. No time masculino, o ator Eric Dane, o cirurgião super-gato da série de TV Grey’s Anatomy tira o fôlego só de aparecer na tela. Já o careca Stanley Tucci pode não ser uma beldade, mas também não chega a doer nos olhos.

 Eric Dane

Com duas belas cantoras de peso no musical, fica a dúvida por que elas não dividem uma única canção ao longo do filme. Uma das duas músicas cantadas por Cher, You haven’t see the last of me, levou o Globo de Ouro de Melhor Canção Original, vecendo a música Bound interpretada por Christina Aguilera no mesmo filme.

Apesar de ter sido pré-selecionado para algumas categorias do Oscar, Burlesque não foi indicado a nenhuma na seleção final. Entretanto, foi reconhecido pela premiação como “Filme que o público mais amou em 2010”.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Tutorial de heavy metal

Publicado em 16 de fevereiro de 2011

Banda Hangar desembarca hoje em Goiânia para mostrar aos fãs do estilo como se faz música pesada de qualidade. O grupo paulistano segue para Anápolis amanhã em mais uma apresentação da turnê The Infallible Tour 2011

O público goiano pode preparar sua agenda e seus ouvidos, pois a banda de metal progressivo e power metal Hangar aterrissa hoje em Goiânia para realizar um workshop, seguido de um pocket-show, que visam agradar aos amantes do virtuosismo musical no Centro Cultural Martim Cererê. Amanhã é a vez de Anápolis ter seus tímpanos martelados pela mesma atração no Sesc Anápolis. As apresentações fazem parte da turnê The Infallible Tour 2011, que divulga o quinto álbum cheio da banda, Infallible, de 2009.

Além da alta qualidade técnica exibida pelos músicos, um outro item que merece destaque é a qualidade da aparelhagem usada por ela. Isso porque o Hangar fechou um contrato com a Selenium, a maior fabricante de alto-falantes da América Latina que também produz os amplificadores Maverick. O resultado desta parceria resultou em algo inédito no mercado heavy metal nacional: a banda viaja em um ônibus próprio bem bonitinho e personalizado, no qual transporta todo o equipamento de palco (bateria e amplificadores ouvidos pelos músicos) e de P.A. (mesa de som e caixas acústicas voltadas para o público). Assim, a audiência pode conferir de perto toda a excelência musical e tecnológica que o Hangar pode oferecer.

 Humberto Sobrinho (vocais), Eduardo Martinez (guitarra), Fábio Laguna (teclados), Nando Mello (baixo) e Aquiles Priester (bateria e percussão) vão apresentar seus instrumentos e técnicas em Goiânia e Anápolis

De acordo com Pedro Henrique, um dos responsáveis por trazer a banda a Goiás, o workshop começa com a estrela da banda, o baterista Aquiles Priester, no palco. Ele ficou conhecido pelos fãs do gênero por seu trabalho no Hangar, da qual é criador, e no Angra, da qual fez parte entre 2001 e 2008. Em seguida, o baixista Nando Mello se junta a ele e mostra como funciona a cozinha da música pesada. Daí, entra a guitarra virtuosa de Eduardo Martinez e, logo após, Fábio Laguna mostra a versatilidade dos teclados. Quando o vocalista Humberto Sobrinho completa a banda, termina o workshop e começa imediatamente o pocket-show.

O Hangar foi formado em 1997 com um objetivo simples: tocar covers que seus integrantes gostavam. O show de estreia, em 1998, foi marcante, pois o público que compareceu foi bem maior do que o esperado. A partir desta data, a banda se sentiu segura para alçar voos mais altos e começou a compor suas músicas que resultou no primeiro CD do Hangar, de 1999, que recebeu ótimos comentários da crítica especializada.

Workshops e pocket-shows com a banda Hangar
 
GOIÂNIA
Quando: hoje, a partir das 19h30
Onde: Centro Cultural Martim Cererê – Rua 94-A, Setor Sul
Ingressos: R$ 15 (antecipado) / R$ 20 (na portaria)
Ponto de venda: Harmonia Musical – Rua 4, nº 734, Setor Central
Informações: (62) 3240-0800 / 9266-0621 / 8409-2626
 
ANÁPOLIS
Quando: amanhã, a partir das 19h30
Onde: Sesc Anápolis – Avenida Santos Dumont, esquina com Rua Cel. Zeca Louza, Bairro Jundiaí
Ingressos: R$ 15 (antecipado) / R$ 20 (na portaria)
Ponto de Venda: Harmonia Musical – Rua Barão do Rio Branco, nº 1049, Setor Central
Informações: (62) 3321-5163 / 9266-0621 / 8409-2626

Grammy das ladies

Publicado em 15 de fevereiro de 2011

Lady Antebellum


A Acadmy of Recording Arts and Sciences realizou no último domingo (13), a cerimônia do 53º Gammy Awards, a principal premiação da música nos Estados Unidos. Entre algumas surpresas e outras confirmações, o resultado do evento foi equilibrado. A banda country de Nashville Lady Antebellum levou vários Grammys para casa como Canção do Ano, Gravação do Ano, Melhor Performance Country com Vocais de uma Dupla ou Grupo e Melhor Álbum Country.

Já Lady Gaga conseguiu agarrar apenas três troféus nas categorias Álbum Pop, Performance Pop Feminina e Melhor Video de Música Curto. A banda Arcade Fire superou as duas ladies, Eminem e Kate Perry ao abocanhar o premio de Álbum do Ano pelo disco The suburbs. Outra surpresa foi a cantora baixista de jazz Esperanza Spalding que roubou o Grammy de Artista Revelação do fenômeno adolescente Justin Bieber. Isto talvez tenha ocorrido porque quem vota nesta premiação são os membros da academia e não os fãs histéricos dos cantores.


Lady Gaga eclode em cena


A noite começou com um tributo à Rainha do Soul, Aretha Franklin feito pelas cantoras Christina Aguilera, Jennifer Hudson, Yolanda Adams, Martina McBride e Florence Welch. Outro show memorável foi o da estrela da vez, o Lady Antebellum, que cantou a premiada música que os lançou Need you now em uma performance afinadíssima. Ao subir ao palco para receber o premio de Melhor Álbum Country, o cantor da banda afirmou que “esta canção virou nosso mundo de cabeça para baixo”. Além dos premios concedidos à banda, os membros do grupo também levaram outras premiações como compositores.

Lady Gaga também apresentou uma música ao vivo, mas sua performance começou bem antes, no tapete vermelho. A cantora se trancou dentro de um ovo translúcido gigante e entrou no local do evento carregada por quatro belos homens e escoltada por uma modelo altíssima. O ovo foi colocado no palco do Grammy e, ao som do seu novo Single Born this way, Gaga eclodiu e cantou o que, segundo Elton John, promete ser o novo hino gay. Os figurinos e maquiagens dela e de seus bailarinos deram um ar futurista à performance. Hoje, a cantora escreveu em seu Twitter que foi uma alegria pura cantar Born this way no Grammy. Gaga subiu ao palco mais tarde para receber o premio de Melhor Performance Pop Feminina e surpreendeu com seu discurso emocionado no qual mencionou a cantora Whitney Houston.

Esperanza Spalding deixou para trás a sensação teen Justin Bieber e levou para casa a estatueta de Artista Revelação

Recuperação

Eminem liderava os indicados concorrendo em dez categorias pelo álbum Recovery, no qual ele detalha sua luta contra o vício. Porém, o rapper branquelo só levou dois Grammys: Melhor Performance Rap Solo e Melhor Álbum de Rap. Sua apresentação ao vivo foi aberta pela garota dos cabelos em fogo, Rihanna, cantando Love the way you lie. Logo o rapper que também é conhecido como Slim Shady subiu ao palco cuspindo a letra desta música que se fundiu a outra, I need a doctor, na qual foi acompanhado por Dr. Dre e Skylar Grey enquanto Adam Lavine do Maroon 5 martelava o piano.

Arcade Fire
 
Nos outros shows da 53ª edição da premiação, o pessoal do Arcade Fire deu uma pitada rocker ao evento tocando a música Month of May, enquanto o Rolling Stone Mick Jagger ajudou a fazer um tributo ao cantor de R&B Solomn Burke.

PREMIADOS

Canção do ano
Need You Now - Lady Antebellum
Artista revelação
Esperanza Spalding
Álbum do ano
Arcade Fire - The Suburbs
Gravação do ano
Lady Antebellum - Need You Now
Álbum pop
The Fame Monster - Lady Gaga
Melhor álbum rock
Muse - The Resistance
Melhor álbum de rap
Eminem - Recovery
Performance pop feminina
Lady Gaga - Bad Romance
Performance pop masculina
Bruno Mars - Just The Way You Are
Melhor performance pop por uma dupla ou grupo
Train - Hey, Soul Sister
Colaboração pop
Herbie Hancock, Pink, India.Arie, Seal, Konono No 1, Jeff Beck & Oumou
Sangare - Imagine
Melhor performance hard rock
Them Crooked Vultures - New Fang
Melhor performance metal
Iron Maiden - El Dorado
Melhor performance rock individual
Paul McCartney - Helter Skelter
Melhor performance rock por uma dupla ou grupo
The Black Keys - Tighten Up
Melhor álbum de R&B
John Legend & The Roots - Wake Up!
Melhor álbum de música alternativa
The Black Keys - Brothers

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Em defesa da gargalhada

Publicada em 12 de fevereiro de 2011

Juquinha apresenta show de humor hoje e amanhã em Goiânia. Artista usa versão super para arrancar risadas da plateia

O ator, humorista e apresentador Juquinha abre a temporada 2011 de apresentações do Teatro Sesi com seu espetáculo Juquinha como você nunca viu. Os ingressos estão bem em conta (R$ 10 a inteira) e cortesias estão sendo distribuídas para trabalhadores da indústria nas empresas. O próprio artista também deixou, no Café Mundo do Shopping Bougainville, entradas grátis para quem quiser pegar e assistir à sua apresentação hoje ou amanhã. E tem mais: se você  for prestigiar Juquinha no palco do Teatro Sesi, você ganha mais cortesias para assistir às próximas quatro atrações da casa.

Juquinha completou 35 anos de carreira e 50 anos de idade no ano passado. Ele afirma que o trabalho de todos os artistas não é fácil em qualquer lugar do mundo e, por isso, ele fica feliz quando qualquer pessoa, empresa ou uma entidade como o Sesi se preocupa com a formação de plateia, levando a arte para as pessoas ao apoiar espetáculos e distribuir ingressos desta forma.




O humorista prefere não se beneficiar com as leis estatais de incentivo à cultura, apesar da dificuldade que sempre enfrenta na busca de patrocínios. “Quando me perguntam por que, eu digo que eu uso a ‘Lei Juquinha’”, explica o artista. É certo que sua carreira sólida e  seu reconhecimento possibilitam que o artista consiga, não sem muito esforço, realizar seus espetáculos há tanto tempo sem ajuda governamental. “É muito legal ser reconhecido pelo público”, confessa o humorista. “Me sinto abençoado, privilegiado por isso.” Ele também diz que muita gente ainda não o conhece, ou por ser muito novo, ou por ser de outras cidades, mas, com muito trabalho, o ator afirma que pode conquistá-los também.

Em casa

Juquinha como você nunca viu foi escrito pelo próprio ator e é uma mistura de stand up comedy com show de humor cujo objetivo é deixar as pessoas mais felizes. O espetáculo estreou ano passado na cidade de Goiás, terra natal do artista, e será apresentado em outras cidades depois da reestreia no Teatro Sesi. No palco, o ator se sente tão confortável que recebe a plateia de roupão como se estivesse sido pego relaxando na sala de sua casa. Assim, ele bate um papo descontraído que estimula o riso. Suas histórias abrangem os mais variados assuntos pinçados do cotidiano, mas qualquer situação que aconteça durante a apresentação pode virar parte do show. Segundo o humorista, muitas pessoas não estão acostumadas a ir ao teatro e acabam chegando atrasadas, no meio da apresentação, ou se esquecem de desligar o celular, que toca durante a peça. Juquinha, ao invés de ficar zangado com isso, transforma estas e outras situações em brincadeiras, como parte do show.

O ator pede à plateia que vá preparada para o riso e, àqueles que têm dificuldade em dar risadas, faz ameaça: “Tenho um aparelho ultramoderno para identificá-los.” Fazer rir é muito difícil, explica o humorista, que não mede esforços para conseguir isto e deixar as pessoas mais felizes. Porém, se mesmo assim alguém mais resistente não conseguir soltar pelo menos um sorriso, o Super Juquinha entra em ação para defender a gargalhada geral.

Juquinha como você nunca viu
Quando: hoje e amanhã, a partir das 20h
Onde: Teatro Sesi – Avenida João Leite, nº 1.013, Setor Santa Genoveva (ao lado do Clube Antônio Ferreira Pacheco)
Ingressos: R$ 10 (inteira) / R$ 5 (meia)
Pontos de venda: CAT Goiânia – Palácio da Indústria – Avenida Anhanguera, esquina com Avenida Tocantins, Setor Central
Informações: 4002-6213
 


Agenda do Teatro Sesi

Histórias que eu não inventei (Teatro)
Quando: 26 e 27 de fevereiro
Comédia escrita e dirigida pela atriz mineira radicada em São Paulo Glória Rabelo, faz um paralelo entre o campo e a cidade

Almir Pessoa – O violeiro do Brasil (Música)
Quando: 12 de março
Músico versatil, o artista pretende transformar o palco em uma animada arena caipira

Alex Terra e Adriano (Música)
Quando: 13 de março
Dupla interpreta grandes clássicos da música sertaneja, além de tocar músicas próprias

Os Inoxidáveis – Televisão (Teatro)
Quando: 26 e 27 de março
Textos assinados pelos próprios atores fazem uma sátira aos programas de TV

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Música radioativa goiana

Publicado em 11 de fevereiro de 2011

Grupo Radiocarbono faz show de lançamento do seu primeiro CD, intitulado Enteado do samba, com participação especial dos Chimpanzés de Gaveta. Grupo é um dos destaques da cena local

Você já ouviu falar de radiocarbono? Também conhecido como carbono-14, ele é um isótopo radioativo usado para medir a idade de coisas muito velhas como fósseis de dinossauros, relíquias da antiguidade e a Hebe Camargo. Radiocarbono também é o nome da banda goiana que faz uma música altamente contaminante, formada por cinco elementos: Danilo Almeida (bateria e voz), Douglas Mcarthur (guitarras), Henrix Ramos (baixo e voz), Pingüim Barreira (voz e violão) e Ttaiguara Franco (percussão e voz). Amanhã, a banda faz show no Metrópolis, com a participação de outra banda goiana, os Chimpanzés de Gaveta, para lançar seu primeiro CD, o Enteado do samba. Para ganhar cortesia basta participar dos sorteios na comunidade do Metrópolis no Orkut e no Twitter da Fósforo Cultural.



Os elementos Taiguara Franco, Hendrix Ramos, Pingüim Barreira, Douglas Mcarthur e Danilo Almeida


O Radiocarbono foi formado em 2007 com a união de integrantes das bandas Panis Circense e Paranóia Franciscana  para participar de um festival de música. Como as referências musicais são muitas, a banda abraça esta pluralidade musical e lança mão de vários estilos para criar o estilo do Radiocarbono “Não podemos afirmar que nossa música é original e única, mas podemos dizer que buscamos transformar nossas influencias em algo que caminha para isso”, explica Pingüim

O bandolista brasieliense Heberton Barreira, que participou da gravação do CD, brinca ao nomear o estilo da banda como “samba-rock-progressivo”. A própria banda ainda não conseguiu classificar sua música. Seria mesmo samba rock progressivo? Maracatu psicodélico ou psicosambarockdelitú? Se pergunta o Radiocarbono no Myspace do grupo. Pingüim afirma que eles não gostam muito de rótulos e que o negócio deles “é fazer música de qualidade e colocar o pessoal pra sacudir o escqueleto”. Apesar de não querer saber ao certo em qual estilo a banda se encaixa, ela faz questão de que suas influências são de Metallica a Red Hot Chili Pepers, de Noel Rosa a Cartola e outras vertentes do rock psicodélico, progressivo com pitadas de maracatu, maracujá, frevo, tango, jaca e empadão goiano. Tudo misturado para emitir frequências sonoras com uma levada que puxa para o samba-rock.



Talvez, nenhum título poderia traduzir melhor a sonoridade do Radiocarbono do que o escolhido para batizar seu primeiro CD. O Enteado do samba que traz um som meio samba-rock com tantas influências diferentes. A bolachinha, que será vendida por apenas cinco pilas durante toda a noite da festa de lançamento, não estampa nenhum selo em seu encarte. As composições são da própria banda, recheadas de arranjos inteligentes e letras originais e divertidas. Se o Radiocarbono conseguiu reproduzir no disco a mesma energia que se vê em suas apresentações ao vivo, este, certamente, é um bom álbum. Ah, vale a pena conferir a apresentação de amanhã para ver como Taiguara, o homem-polvo da percussão, vai se virar no palquinho do Metrópolis.

Lançamento do CD “Enteado do samba” da banda Radiocarbono
Show do Radiocarbono com participação dos Chimpanzés de Gaveta
Discotecagem de Pablo Kossa e Abdala
Quando: Amanhã, a partir das 22h
Onde: Metrópolis - Avenida 83, nº 372, Setor Sul
Ingressos: R$ 10,00 (até a meia-noite) / R$ 15,00 (após a meia-noite)

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

No jogo da sedução, mistério é o que interessa

Publicada em 10 de fevereiro de 2011

Um estudo publicado nos Estados Unidos revela que a mulher se sente mais atraída por um homem quando ela não sabe ao certo se ele gosta dela ou não. Pesquisa revela resultados de 47 estudantes da Universidade de Virginia

Conselhos de amigos e um sem números de livros de auto-ajuda recomendam: ao entrar no jogo do amor, não revele todas as suas cartas logo de cara. Recentemente, esta pérola da sabedoria popular se transformou em um dado científico. Uma pesquisa publicada no início da semana no periódico Psychological Science da “Association for Psychological Science”, às vésperas do Dia dos Namorados americano, revela que uma mulher pode sentir mais atração por um homem quando ela não sabe ao certo se ele gosta dela ou não. Os autores, os estudiosos Erin R. Whitchurch e Timothy D. Wilson da Universidade da Virginia e Daniel T. Gilbert de Harvard, ambas dos Estados Unidos, escreveram que “manter as pessoas no escuro em relação o quanto nós gostamos delas faz com que elas pensem mais sobre nós e aumenta o interesse delas”.

Erin Whitchurch acredita que suas descobertas podem aconselhar homens e mulheres solteiras a entrarem de cabeça no jogo de esconde-esconde amoroso. “Eu sou viciado em revistas e, todo mês, há uma técnica diferente para se conquistar um cara”, diz a estudiosa. “E muitas são contraditorias. Eu só queria descobrir, para mim mesmo, o que a ciencia nos aconselharia”, completa. Segundo sua pesquisa, o conselho científico é: faça-se de difícil. Uma amiga de Whitchurch também atiçou a curiosidade da pesquisadora ao afirmar que, mesmo depois de um anos se encontrando com seu namorado, ela ainda sentia um frio na barriga ao se encontrar com ele. “Eu fiquei intrigada com esta ideia e fiquei imaginando se isto acontecia, mesmo depois de um ano se encontrando, em parte porque os dois nunca tiveram 'aquela conversa', se viam apenas duas ou três vezes por semana e nunca trocaram um 'eu te amo'. “Eu queria descobrir se ela ainda sentia um frio na barriga porque o estatus do seu relacionamento ainda era incerto para ela”, comenta a estudiosa.


Em uma Inglaterra do futuro, vive Evey Hammond (Natalie Portman), que é salva de uma situação de vida ou morte por mascarado conhecido apenas pelo codinome V. Ela acaba se apaixonando por ele


O estudo, que foi conduzido com 47 mulheres estudantes da Universidade de Virginia, leva a uma pergunta: “será que os homens teriam a mesma reação com uma mulher misteriosa?” Whitchurch acredita que sim. “Apesar das pessoas acharem que homens e mulheres vejam atração e relacionamentos por ângulos diferentes, eu não acredito que seus pensamentos mais básicos difiram”, explica ela. Sua pesquisa sugere que a razão para aumentar a atração pelo homem é aumentar o tempo que a mulher gasta pensando nele quando ela não está certa das intenções do seu par. Portanto, se a mulher também fizer a misteriosa, conseguirá o mesmo resultado com o curioso coração masculino.

Muitas outras investigações psicológicas descobriram que quanto mais a pessoa A gosta da pessoa B, mais a pessoa A acha que a pessoa B gosta dela. Os pesquisadores deste estudo não discordam dessas investigações. Eles escreveram: “se quisermos saber o quanto Sarah gosta de Bob, um bom indicador é o quanto ela pensa que Bob gosta dela”. “Mas, e se Sarah não souber o quanto Bob gosta dela?”. Isto pode levar Sarah a passar muito tempo pensando no enigmático Bob e sua atração aumentada à medida que mais pensa nele, respondem os pesquisadores americanos.

Facebook

Às 47 voluntárias do estudo foi dito que a pesquisa era para determinar se o Facebook seria um bom site de relacionamentos amorosos online. Quatro perfis masculinos falsos foram criados e apresentados às voluntárias como homens estudantes de outras duas universidades que viram os perfis delas e de outras 20 mulheres. Então, os rapazes fictícios disseram que “gostaram delas muito”, “gostaram delas normalmente” ou que “gostaram delas muito ou normalmente”. O terceiro grupo que demonstrou ambiguidade em seu sentimentos foi o mais cotado entre as garotas, seguido pelo grupo que gostaram delas muito e, em último lugar, o grupo de caras que gostaram delas apenas normalmente. As mulheres do estudo tomaram suas decisões baseadas em poucas informações sobre os homens, com um nível de detalhes muito parecido com o que acontece todos os dias em sites de encontros online.

Esta pesquisa não contradiz estudos anteriores que afirmam que as mulheres tendem a gostar de homens que demonstram afeição por elas, de acordo com o chamado de principio da reciprocidade. A surpresa foi as mulheres se sentirem mais atraídas pelos homens misteriosos. Isto sugere que esconder o jogo ajuda o homem a ficar na mente feminina, como um enigma que ela quer resolver. Portanto, um conselho para ambos os sexos: para aumentar a atração no outro, não revele de cara seus sentimentos e, mesmo se estiver loucamente apaixonado, pareça dificil de se agradar e seletivo. Outra coisa: nada de sexo no primeiro encontro. Isto mata qualquer mistério e está fora dos livrinhos de sedução passo-a-passo.

Nos caminhos dos sonhos

Publicada em 10 de fevereiro de 2011

O Espaço Terapêutico Renascer Saúde continua com sua programação de fevereiro com a palestra “O sonho que move a alma”, que acontece hoje, e um workshop sobre liderança, gestão de pessoas, vendas, marketing e cases de sucesso, que acontece no último fim de semana do mês. Estes debates são ministrados pelo consultor e administrador Ruancarlo Maldi Borges, sendo que a palestra é, em parte, uma prévia do que será discutido no workshop.

Além de falar sobre trajetorias de sucesso como de Abilio Diniz, Samuela Klein e Ricardo Bellino, Ruancarlo explica, na palestra e no workshop, a diferença entre atendente, gerente e vendedor. Ele também discorre sobre os benefícios da postura empresarial e fala sobre como obter sucesso em diversas áreas da vida como a familiar, profissional e financeira.

A coordenadora e orientadora Marta L. Franco está presente no workshop e fala sobre os conceitos de constelação familiar e organizacional, ensina técnicas de programação neurolinguística (PNL) e de respiração que despertam os potenciais psíquicos e que promovem o alinhamento com as forças da alma para a prosperidade e o sucesso.

Na semana seguinte ao workshop, o numerologista Valter Prado trabalha ao lado do consultor Ruancarlo, fazendo atendimentos individuais. O consultor desenvolve programas de coaching personalizado, ajudando cada um a identificar seus sonhos e a traçar metas de médio e longo prazo para realiza-los. Já Valter, através da numerologia visionária, descobre porque a pessoa atendida veio à Terra e revela suas aptidões e seu caráter positivo e negativo a fim de ensinar a usar a diversidade a favor do indivíduo. Ele também ensina como ter uma disciplina dentro das possibilidades que o universo lhe deu.

Vale lembrar que todos estes ensinamentos se orientam pela visão de que o ser humano está inserido em um complexo sistema psicofísico (corporal, emocional, mental e espiritual) e que as ligações com outros humanos e com o mundo metafísico o influenciam de forma decisiva.
Valter está em negociações com a Associação Brasileira de Numerologia (Abran) e pretende abrir a regional Goiás em breve.

Palestra “O sonho que move a alma”
Quando: Hoje, a partir das 19h
Custo: Entrada franca
 
Workshop “Coaching”
Quando: 26 e 27 de fevereiro, das 14h às 18h
Custo: R$ 700,00
 
Onde: Espaço Renascer Saúde - Rua C-137, (cont. T-10) Qd. 309, Lt. 7, Jardim América
Informações: 3274-1308 / www.renascersaude.com.br

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Cotidiano com tecnologia

Publicada em 09 de fevereiro de 2011

Em sua 15ª edição, Casa Cor Goiás aposta em soluções modernas aliadas à sustentabilidade para criar ambientes confortáveis e, ao mesmo tempo, ecologicamente corretos. Hoje acontece o lançamento oficial da mostra 

As organizadoras Eliane Martins e Sheila Podestá apresentam aos seus convidados as novidades e o formato da 15ª edição da Casa Cor 

Hoje é dia do lançamento oficial da mostra Casa Cor Goiás 2011. Durante um “brunch” que acontece no Castro's Park Hotel, as organizadoras da exibição, as arquitetas Eliane Martins e Sheila Podestá, apresentam aos seus convidados as novidades e o formato da 15ª edição da Casa Cor no Estado, que se realiza entre os dias 13 de maio e 22 de junho no Espaço Merzian, no Setor Bueno. O tema deste ano é Dia a dia com tecnologia e o objetivo é mostrar, de forma criativa, como a tecnologia pode ser integrada à rotina das pessoas, trazendo conforto e economizando tempo, e ainda sintonizar os espaços internos e de convivência com o meio ambiente por meio de soluções sustentáveis.

Ambiente criado para a Casa Cor 2010, Restaurante foi projetado por Maurem Françoise de Souza

Este ano, a preocupação com a sustentabilidade pode ser vista tanto na teoria quanto na prática. Além das ideias verdes estarem presentes nos ambientes montados exclusivamente para a mostra, os critérios ecologicamente corretos orientam todos os projetos desde sua concepção até a sua desmontagem e o seu pós-uso. Isso gera impactos positivos em toda a cadeia de fornecedores e prestadores de serviços envolvidos na elaboração e na montagem dos ambientes para a mostra. A parceria com o Grupo Sustentax, que começou em 2009, foi responsável pela introdução desta preocupação ambiental que orientou os conceitos da mostra desde então.



Outro ambiente da edição do ano passado, Banho do Casal foi criado pelo arquiteto Nando Nunes

 2011 é o ano em que a Casa Cor Goiás comemora seus 15 anos de existência e que os eventos da Casa Cor completam 25. Durante os 40 dias da exibição, o público pode conferir 47 ambientes projetados por 62 arquitetos, decoradores, designers e paisagistas goianos. Tudo isso distribuído pelos 3.300 m² do Espaço Merzian.

Casa Cor Goiás 2011
Quando: De 13 de maio a 22 de junho
Onde: Espaço Merzian – Avenida T-2, esquina com Rua T-55, Setor Bueno
Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)
Informações: 3224-2023 / www.casacor.com.br/goias

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Fragrâncias memoráveis

Publicada em 08 de fevereiro de 2011

Um perfume, mais do que apenas despertar sensações, é capaz de ativar a memória, com lembranças boas ou ruins e também pode afetar o humor das pessoas, muitas vezes, sem que elas se deem conta disso

Geralmente, ao sentirmos um cheiro, despertamos uma lembrança adormecida. Outras vezes, um odor pode trazer à tona apenas uma sensação sem que saibamos ao certo porque nos sentimos daquele jeito naquele momento. Os cheiros nos afetam desta forma porque o bulbo olfativo, parte do cérebro responsável pela detecção de odores, fica no sistema límbico, uma área associada à memória. Como o bulbo tem acesso íntimo à amígdala, que processa emoções, e ao hipocampo, responsável pelo aprendizado associativo, o olfato pode trazer à tona respostas poderosas quase instantaneamente.

“O que uso para dormir? Apenas duas gotas de Chanel nº 5” respondeu Marilyn Monroe a um jornalista em 1953

Ao sentirmos um cheiro pela primeira vez, ele é ligado a um evento, uma pessoa, uma coisa ou a um momento. Dessa forma, o cérebro produz uma ligação entre um odor e a memória. Quando encontramos o cheiro novamente, a memória é acessada e, mesmo que não consigamos associar o odor a um evento específico, acabamos por reviver as sensações ou o humor experimentados na primeira vez que sentimos o cheiro. Como encontramos a maioria dos novos odores na juventude, os cheiros costumam remeter a memórias da infância.

A advogada Rosana Nogueira adora usar perfumes e tem muitas lembranças associadas a alguns deles. Em 1977, ela ganhou da cunhada que mora no exterior seu primeiro frasco do “Fleur de Rocaille” da Casa Caron. A fragrância que foi criada em 1933 fez parte da vida de Rosana até 1989, quando sua cunhada trocou o presente anual por outro perfume, o “Poison” da Dior, criado em 1985. O cheiro “Fleur de Rocaille” marcou uma parte importante de sua vida de casada. O marido de Rosana faleceu em 2006 e ela, quando sente o cheiro do perfume, sente-se bem e lembra do esposo.

Uma outra fragrância também faz Rosana lembrar-se do marido, mas este odor não remete a boas lembranças. A advogada conta que era o dia do seu aniversário de casamente, há muitos anos, quando ainda morava no interior do Estado. O marido saiu para comemorar com os amigos e chegou tarde em casa, quase na hora reservada no restaurante. Rosana estava muito brava e sentiu no ar um cheiro de um perfume “ralé, muito barato.” Enquanto ele foi tomar banho, ela cheirou a gola da camisa dele, foi ao carro, inspecionou o banco do motorista e do passageiro e encontrou traços do perfume naqueles lugares. A advogada chegou a cheirar o cós da cueca do marido, mas, felizmente, não encontrou o cheiro do maldito perfume lá. Apesar de não ter encontrado uma prova definitiva de traição, Rosana estava muito nervosa, se recusou a sair com o marido e ele levou as duas filhas ao restaurante, ao invés da esposa que ficou em casa para aplacar a raiva.
Rosana não conseguiu identificar qual era o perfume, mas, até hoje, quando sente um cheiro parecido com aquele sentido na gola da camisa do falecido marido, se lembra do incidente e fica com raiva. Atualmente, ela usa o perfume “Ange ou Démon” da Givenchy “em ocasiões especiais” e o “Kriska” da Natura como colônia diária.

História do perfume

Recentemente, o jornalista, humorista do programa CQC da Band disse, em seu Twitter, que “quem usa perfume, naturalmente, fede”. E ele não deixa de ter razão. O perfume foi criado para camuflar os odores naturais do corpo humano que não agradam nem ao dono do cheiro, nem a quem está perto dele. Estudos históricos indicam que a arte de elaboração do perfume nasceu o Egito. Os primeiros clientes dos perfumistas da antiguidade foram os faraós e membros da corte. Logo, a vontade de cheirar melhor se difundiu e o uso do perfume se disseminou.



Cena de O perfume – a história de um assassino (The story of a murdurer - 2006): filme mostra a história de Grenouille, possuidor de um olfato extraordinário, que mata jovens ruivas para extrair delas o perfume perfeito  

Durante a idade média, a perfumaria ficou esquecida e esta era, além de mergulhada nas trevas, não cheirava nada bem. Pelas crenças da época, o banho deveria ser evitado, pois a água era considerada uma fonte de contaminação. Naquele tempo, feder parecia ser um sinônimo de saúde. No entanto, foi nos mosteiros medievais que se inventou o álcool, um importantíssimo elemento para a perfumaria moderna. Mais tarde, lá pelo século XV, as atividades da farmacia foram iniciadas pelos frades dominicanos que produziam essencias, pomadas, bálsamos e outras preparações medicinais, muitas produzidas até hoje. Quando a italiana Catarina de Médicis se mudou para França para se casar com o rei Henrique III, em 1533, ela levou seu perfumista pessoal que fundou a primeira butique de perfumes do país – o primeiro passo da megaindústria francesa de perfumaria.

Perfume de grife

Saltamos do século XV para cairmos no início do século XX, em 1921, data da criação do perfume Chanel nº 5. Esta fragrancia foi importante por ser o primeiro lançado por uma estilista, Coco Chanel. Segundo Jaques Polgue, perfumista da marca, “o fator que explica a longevidade do Chanel nº 5 é a existência de um equilibrio entre uma presença e um misterio”. O fator Marilyn Monroe também pode explicar a longevidade da fragrância. Em 1953, sem qualquer contrato com a Chanel, ela respondeu em uma entrevista que usava apenas duas gotas de Chanel nº 5 para dormir e nada mais. A declaração foi bombástica e, mais tarde a atriz americana estrelou uma campanha para o perfume.

A maison Chanel continua usando super-estrelas para suas campanhas, além de continuar comercializando a fórmula original na versão de extrato e eau de parfum. Em 2004, o brasileiro Rodrigo Santoro atuou em um comercial do perfume ao lado de Nicole Kidman e, atualmente, a atriz francesa Audrey Tautout, que interpretou Coco Chanel no cinema, está na campanha intitulada “Trem noturno” que promove o Chanel nº 5. Pelo jeito, o frasquinho quadrado tem muita vida pela frente.

 Chanel nº 5 - Chanel
R$ 250,00 (50ml)



Fleur de Rocaille –  Caron
R$ 243,50 (50ml)


Ange ou Démon - Givenchy
R$ 368,50 (100ml)




Classique - Jean Paul Gaultier
R$ 387 (100ml)


Flower – Kenzo
R$ 399 (100ml)



Kriska – Natura
R$ 76,90 (100ml)


Madeira do Oriente – Abelha Rainha
R$ 14,99 (65ml)


Poison - Dior
R$ 249,90 (50ml)


Thaty - O Boticario
R$ 39,90 (110ml)


Água da Terra 01
R$ 52,90 (100ml)

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Música e performance

Publicado em 04 de fevereiro de 2011

Dona de uma forte presença de palco, a cantora, atriz e acrobata Débora de Sá faz show na Capital. No repertório, a artista apresenta clássicos da música popular brasileira e composições próprias 

A multiartista Débora de Sá se apresenta hoje no Pau Brasil Restaurante & Bar. Apesar de sua estrutura “petit”, Débora fica gigante no palco e sempre impressiona o público que acompanha suas performances ao vivo. Formada em Canto pelo Instituto de Artes da UFG, a bela artista é dona de uma forte presença e possui uma refinada técnica vocal. No show desta noite, Débora canta clássicos da MPB e ainda apresenta músicas próprias.

A cantora começou a atuar muito jovem em festas sacras, cerimônias religiosas, peças teatrais e atividades ligadas às tradições de Pirenópolis, cidade onde sua família, repleta de artistas, constituiu um dos núcleos centrais da produção cultural de Goiás. A carreira musical em Goiânia, sua terra natal, foi iniciada em cerimônias, bares e casas noturnas da Capital. Atualmente, ela investe em sua carreira de cantora e se prepara para lançar seu primeiro CD solo, apresentando músicas próprias ainda este ano.



Atualmente, Débora de Sá investe em sua carreira de cantora e se prepara para lançar seu primeiro CD solo ainda este ano


Débora, que também é produtora e editora musical, ingressou nas artes circenses em 2005, ao fazer aulas de tecido acrobático com a goiana Tetê Caetano, formada na Escola Nacional de Circo. Mais tarde aperfeiçoou sua técnica com o professor Júlio Rodrigues na Escola de Arte Veiga Valle e aprendeu o básico do trapézio solo e da lira. Hoje, ela é professora da Escola Estadual de Circo Martim Cererê. Débora de Sá costuma surpreender seu público sempre que une o canto às acrobacias, encantando a todos com sua voz suave enquanto faz manobras suspensas que exigem força e fôlego.

Combinando teatro e música, a atriz e cantora atuou em diversas operetas, como Juriti, de Viriato Correa e Chiquinha Gonzaga, e Ópera do Malandro, de Chico Buarque. Ainda no teatro, ela atuou e cantou em vários musicais, como Cabaré Goiano, do diretor Marcos Fayad, e na peça infantil Chapeuzinho Vermelho, de Luiz Roberto Pinheiro. No show de hoje, Débora exibe apenas seus dotes musicais. A artista afirma que está preparando o DVD Pequeno projeto de poema franco, que será lançado no segundo semestre deste ano.

Show com Débora de Sá
Quando: Hoje, a partir das 21h
Onde: Pau Brasil Restaurante & Bar – Avenida T-1, esquina com Avenida T-10, nº 2.633, Setor Bueno
Informações e reservas: 3088-2400

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Sintonia com o universo

Publicada em 03 de janeiro de 2011

Coordenadora Marta Franco ministra duas palestras e um curso em Goiânia que ensinam a expandir os níveis da consciência para acessar o mundo metafísico

O Espaço Terapêutico Renascer Saúde tem uma programação agitada para este início de fevereiro. Amanhã, a coordenadora e orientadora Marta L. Franco ministra a palestra Como atuar de forma útil no mundo metafísico. Amanhã, sábado e domingo, a estudiosa dá o curso O ser terapeuta. Nele, os alunos aprenderão, na teoria e na prática, a aumentar a percepção e os sentidos extrafísicos a fim de encontrar os caminhos para a cura de si e de outros. Na segunda-feira da semana que vem, o consultor e administrador Ruancarlo Maldi Borges explica na palestra “O sonho que move a alma” os princípios do couching sistêmico aplicados no ambiente de trabalho e na vida pessoal.

Todos estes ensinamentos se orientam pela visão de que o ser humano está inserido em um complexo sistema psicofísico (corporal, emocional, mental e espiritual) e que as ligações com outros humanos e com o mundo metafísico o influenciam de forma decisiva. Marta afirma que a parceria com Ruancarlos é o complemento que faltava para que o Espaço Renascer desenvolvesse mais trabalhos em empresas. O consultor completa o pensamento de Marta: “Enquanto a terapia resolve o passado, o couching resolve o futuro”.
No Brasil, a ideia do couching é relativamente nova, mas vem conquistando, cada vez mais, novos adeptos de diversas áreas.

Palestra “Como atuar de forma útil no mundo metafísico”
Quando: Amanhã, das 19h às 21h
Custo: Entrada franca
 
Curso “O ser terapeuta”
Quando: Sexta (das 18h às 22h) e sábado e domingo (o dia todo)
Custo: 3 x de R$ 95,00
 
Palestra “O sonho que move a alma”
Quando: Segunda-feira, das 19h às 21h
Custo: Entrada franca

Onde: Espaço Renascer Saúde - Rua C-137, (cont. T-10) Qd. 309, Lt. 7, Jardim América
Informações: 3274-1308 / www.renascersaude.com.br

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Aposta no som cru e dançante

Publicado em 02 de fevereiro de 2011

Revelação do rock goiano na atualidade, o Black Drawing Chalks se apresenta amanhã em Goiânia. O grupo tem a pretensão de misturar influências diversas como Black Sabbath, Soundgarden, QOTSA, Kings of Leon e Led Zeppelin

A banda goianiense Black Drawing Chalks faz, amanhã, a partir das 22 horas, show de lançamento de seu novo CD Live in Goiânia no Bolshoi Pub. O álbum foi gravado ao vivo nesta casa noturna em 10 de março do ano passado, quando a unidade móvel do estudio Rocklab se deslocou para efetuar o registro. O lançamento acontece via Monstro Discos e, além do show da banda, Fabrício Nobre e Tony Sedex ficam responsáveis pela discotecagem na noite.

O disco ao vivo do Black Drawing Chalks reúne três músicas do primeiro CD da banda, Big deal (2007) e seis de Life is a big hollyday (2009). Outras três faixas inéditas, Simmer Down, Red love e Cheat, love and lies, também foram registradas. Para garantir a qualidade do barulho, a produção foi dividida entre Gustavo Vazquez do Rocklab e Fabrício Nobre do MQN.

Banda local, Black Drawing Chalks, que significa “carvões pretos para desenhar”, faz show amanhã, a partir das 22 horas, no Bolshoi Pub, de lançamento de CD gravado ao vivo no ano passado na Capital. O álbum traz nove músicas conhecidas e mais três faixas inéditas

Sobre a decisão de se gravar um disco ao vivo, Denis de Castro, baixista da banda explica que “o Black Drawing Chalks não é uma banda de CDs, e sim, uma banda de shows. Quando compomos as músicas, pensamos em como elas vão ficar quando tocadas no palco. A ideia do Live in Goiânia é proporcionar essa experiência a quem gosta da banda e ainda não teve a oportunidade de ver um show.”

Traços e notas

A ideia de se formar uma banda surgiu na Faculdade de Desing Gráfico, quando Victor Rocha (guitarra e vocal) e Douglas de Castro (bateria) decidiram chamar o irmão de Douglas, na época estudante de arquitetura para assumir o baixo. No início Marco Bauer dividia os acordes e os vocais com Victor. Em 2007, Marco decide deixar a banda e Renato Cunha assumiu a guitarra e os backing vocals.
O nome da banda, que significa “carvões pretos para desenhar”, vem de uma marca alemã de material para desenho e reflete a importância do desenho e do design na vida e na música desses rapazes. Victor e Douglas, por exemplo, fazem parte do estúdio “Bicicleta sem freio” que é responsável pela identidade visual de vários shows, discos e festivais de Goiânia.

O quarteto, depois de dois discos pela Monstro, foi bastante elogiada pela crítica e caiu no gosto do público. A banda também conquistou diversos prêmios e, em 2009, foi indicada a três categorias no Video Music Brasil da MTV pelo vídeo My favorite way. O clipe foi uma parceria entre o Bicicleta sem Freio e o estúdio Nitrocorpz, responsável por diversas vinhetas da MTV.

Black Drawing Chalks também viajou bastante com seus shows, tocando no Porão do Rock, no Abril Pro Rock e até no Canadá, no festival Canadian Music Week. Os goianos já dividiram o palco com banda de peso como Nashville Pussy, The Datsuns, Mötorhead e Eagles of Metal. As principais influências do Black Drawing Chalks são Queens of Stone Age, Black Sabbath e Soundgarden.

Black Drawing Chalks - Show de lançamento do CD
Quando: Amanhã, a partir das 22h
Onde: Bolshoi Pub – Avenida T-2, esquina com T-53, Setor Bueno
Ingressos: R$ 15,00 (até às 22h30)
Informações: 3285-6185 / www.bolshoipub.com.br

Cora Coralina – Coração do Brasil, no Rio de Janeiro

Publicada em 03 de fevereiro de 2011

Exposição reúne manuscritos originais, correspondências, fotografias e outros artigos próprios da poetisa goiana. A mostra, idealizada por Júlia Peregrino, fica em cartaz até o dia 13 de março



A exposição mostra a vida de Cora desde menina no banco das mais atrasadas no colégio até a jovem intelectual que publicou seu primeiro texto aos 14 anos e que colaboraria, ao longo da vida, com centenas de jornais em Goiás, São Paulo e várias outras cidades brasileiras

O Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro recebe, até 13 de março, a exposição Cora Coralina – Coração do Brasil, após ser vista por mais de 400 mil pessoas no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo. A mostra, idealizada pela curadora Júlia Peregrino, exibe uma visão profundo do universo da poetiza, contista e intelectual goiana, desde que nasceu, em 1889 até sua morte, em 1985. A exposição é também uma homenagem aos 25 anos do falecimento de Cora Coralina traduzida em fotos, vídeos, documentos e arquivos que nunca haviam saído da Casa de Cora Coralina, na Cidade de Goiás. A cenografia jé assinada por Daniela Thomas e Felipe Tassara e funciona como um portal para as sensações que permeiam a presença forte de Cora na literatura brasileira.

Cora Coralina é o pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas. Segundo a assessoria de imprensa da exposição, o nome Ana existia aos montes em Goiás por conta da padroeira Sant' Anna. “Por medo de que minha glória literária fosse atribuída a outra Ana mais bonita do que eu”, justificou Cora, resolveu encontrar um nome “que não tivesse xará” e, após muita busca, decidiu-se por Cora. “Mas ainda era pouco para mim”, revela, e não descansou até encontrar Coralina e atribuir-se um nome sonoro, marulhante como as águas inconstantes do seu amado Rio Vermelho.

Aninha começou a escrever aos 14 anos, mas o primeiro livro de Cora Coralina só foi publicado aos 76 anos. A poetiza ficou conhecida nacionalmente após estrelar uma emocionada crônica de Carlos Drummond de Andrade. Doceira de profissão, Cora produziu uma obra rica em motivos do cotidiano do interior brasileiro, em particular, dos becos e ruas históricas da cidade de Goiás, onde nasceu, no coração do Brasil.

A escritora colaborou, ao longo de sua vida com centenas de jornais em Goiás, além de São Paulo e outros estados brasileiros. Corajosa, decidiu, em 1911, viver com um homem separado e partiu para São Paulo, onde criou quatro filhos seus e um do primeiro casamento do marido. Foi vendedora de porta em porta de livros da Editora José Olympio, atuou como comerciante, sitiante e atuou em diversas causas. Foi voluntária da Revolução Constitucionalista de 1932, batalhou pelo voto feminino e recomeçou a vida aos 67 anos de volta a Goiás, fazendo doce para vender. Tudo isso sem se afastar de sua poesia inspirada na sua terra e na própria memória e com a qual conquistou o Brasil aos 91 anos de idade.

Coração do Brasil
Quando: Até 13 de março (de terça-feira a domingo, das 9h às 21h)
Onde: Centro Cultural Banco do Brasil - Rua Primeiro de Março, nº 66 – Centro, Rio de Janeiro
Entrada franca
Informações: (21) 3808-2020